No dia 6 de maio, o vereador de Fortaleza Sargento Reginauro (Pros) enviou ofício ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), no qual solicita não só a suspensão, mas sim o cancelamento dos patrocínios da Prefeitura de Fortaleza aos clubes Fortaleza e Ceará durante esse período de pandemia. Posteriormente, a imprensa divulgou que a suspensão foi oficializada pela Prefeitura e publicada no Diário Oficial do Município o termo de distrato de convênio com Alvinegros e Tricolores.

“Tal decisão me alegra, pois a saúde está colapsada e precisa de todos os insumos possíveis para salvar cada vez mais vidas. A manutenção desses contratos e disponibilização desses recursos seria, no mínimo, incoerente quando o futebol tem futuro incerto e a concessão não constata justificativas para o repasse”, enfatizou o parlamentar, que solicita a verificação da legalidade dos atos realizados pela Secretaria Municipal de Governo.

Além do pedido do vereador, os Ministérios Públicos Federal e Estadual orientaram que o município “se abstenha de executar despesas referentes a patrocínios de clubes de futebol da Capital, até o final do exercício financeiro de 2020, considerando as consequências decorrentes da pandemia do novo coronavírus com relação à economia, de modo a atender aos princípios da razoabilidade, proporcionalidade, eficiência, economicidade e interesse público”.

Os patrocínios em questão foram divulgados no Diário Oficial do Município de Fortaleza, no dia 11 de junho, e, através de Decreto, a Prefeitura estabeleceu incentivo no valor de R$ 1,3 milhão para o Fortaleza Esporte Clube e a mesma quantia para o Ceará Sporting Club. Esse acordo havia sido renovado durante reunião entre o prefeito Roberto Claudio com os dois presidentes, Robinson de Castro e Marcelo Paz, mas após denúncias do vereador Sargento Reginauro foi oficialmente cancelado.

Leia mais: 

Lagoa da Parangaba: Reginauro denuncia má utilização dos recursos públicos

Sargento Reginauro e Eduardo Girão desvendam a “Lei das Fake News”

“Motoristas de aplicativos são perseguidos pela gestão municipal”, denuncia Reginauro

Comentários